Artigos Blog PT Destaques Hotel Research Tips

A procura de viagens está de volta – o turismo estará pronto?10 min read

Maio 14, 2021 7 min read
Travel Demand blog header image - featuring an image of an airplane.

author:

A procura de viagens está de volta – o turismo estará pronto?10 min read

Reading Time: 7 minutes

Quando irá efectivamente o turismo recuperar não é uma questão de procura do consumidor, mas sim de quando irão as restrições ser suspensas. Nos EUA, a vacinação está a avançar num ritmo rápido, com a maioria dos estados totalmente reaberta para negócios e reservas de hotéis, que excedem os valores de 2019. Na Europa, entretanto, o turismo ainda está ansiosamente à espera para saber quando os governos locais irão acabar com as proibições de viagens e reabrir totalmente os destinos.

À medida que a incerteza prevalece, é vital que todos os sectores do turismo compartilhem informações e colaborem no caminho da recuperação. Neste artigo, conversamos com o especialista em aviação e turismo, Gavin Eccles, para explorar a situação actual da procura do consumidor e os factores determinantes. Gavin partilha também como todos os sectores do turismo, desde hotéis a companhias aéreas, devem colaborar para uma resposta mais ágil às mudanças nas restricções e uma recuperação mais forte.

Quando voltará o Turismo – já não é uma questão de procura do consumidor

Em Fevereiro de 2021, o rápido progresso da vacinação e as reaberturas parciais nos EUA e no Reino Unido desencadearam um boom na confiança nas viagens, reflectido nas reservas de voos e hotéis. De acordo com os dados do CRS de hotéis da Guestcentric, publicados na edição de Março de 2021 do The Hotelier PULSE Report, as reservas nos EUA em Fevereiro de 2021 representaram 95% das reservas do mesmo período em 2019. Enquanto isso, as reservas dos hotéis no Reino Unido foram 76% das reservas do mesmo período em 2019.

Em Abril de 2021, os EUA parecem estar totalmente reabertos. A vacinação está a progredir num ritmo constante e os ajuntamentos públicos, tal como as férias de Spring Break, voltaram em força. A análise das tendências de mercado da Guestcentric mostra também que, entre Março e Abril de 2021, as reservas de hotel nos EUA ultrapassaram os níveis de 2019.

No entanto, os obstáculos e restricções de vacinação em curso na Europa e no Reino Unido significam que as reservas ainda estão significativamente aquém dos níveis de 2019. Somente em Abril, as reservas estão a ultrapassar os níveis do mesmo período em 2020. No entanto, as reservas atingiram o ponto mais baixo neste período do ano passado, portanto, a indústria na Europa ainda se está a recuperar lentamente.

Mesmo assim, os sinais do mercado também indicam que os consumidores estão ansiosos para viajar novamente, mas relutantes em reservar viagens devido às rápidas mudanças e restrições. Em Março de 2021, a International Air Transport Association (IATA) anunciou os resultados da sua última pesquisa com viajantes recentes, revelando confiança crescente no retorno às viagens aéreas, frustração com as actuais restricções de viagens e aceitação de um aplicativo de viagens para gerir credenciais de saúde para viajantes.

De acordo com as respostas do estudo, 57% esperam viajar dentro de alguns meses de “contenção COVID-19” (contra 49% em Setembro de 2020). Isto é apoiado pela vacinação em curso, que indica que 81% das pessoas terão maior probabilidade de viajar depois de vacinadas. No entanto, 84% dos viajantes não viajarão se isso implicar uma quarentena no destino.

O que está a influenciar a confiança do consumidor nas viagens?

Embora a confiança nas viagens tenha aumentado após o plano do Reino Unido para reabrir a economia, anunciado em Fevereiro de 2021, a confiança nas viagens diminuiu desde então.

Destacando os principais factores que influenciam a confiança do consumidor durante este tempo, Gavin Eccles, consultor e professor de Aviação e Turismo, explica: “Embora a procura estivesse a crescer, a onda de optimismo foi desvanecendo logo de seguida graças a uma série de sinais negativos que impactaram significativamente a confiança do consumidor. Desde as alterações do plano do governo do Reino Unido, à cobertura sensacionalista dos media e os acontecimentos relacionados com a vacina AstraZeneca em vários destinos na Europa ”.

“Até a BBC teve que reformular uma manchete que anunciava ousadamente“ Não há viagens neste verão! ”,porque o governo nunca concordou que fosse esse o caso. Mas, apesar da correcção, algum dano foi feito. Isso não significa que os consumidores não querem viajar. Em vez disso, eles são compreensivelmente céticos sobre a reserva de viagens ao estrangeiro com tanta incerteza ”, continuou ele.

Apesar das restricções oscilantes e da flutuação da confiança do consumidor, as reservas de hotéis em geral, líquidas de cancelamentos em Março de 2021, mais do que dobraram as reservas em relação ao mesmo período de 2020, de acordo com os dados de mercado publicados na 13ª edição do The Hotelier PULSE Report.

Os hoteleiros entrevistados ​​em Março de 2021 também parecem cada vez mais confiantes na significativa procura reprimida dos consumidores, assim que os governos locais retirem as proibições de viagens. Problemas anteriormente dominantes, como preocupações com saúde e segurança, orçamentos do consumidor mais restrictos e capacidade de voo, já não deverão representar uma barreira para viajar quando as fronteiras forem reabertas.

Como pode o turismo capturar a procura reprimida de viagens?

Com a procura reprimida no horizonte, é essencial para todas as facetas do turismo, desde hotéis a operadores de turismo e companhias aéreas comerciais, manter uma linha aberta de comunicação e coordenar esforços. As empresas também terão que manter a competitividade para capitalizar a procura. “A maneira como os hotéis ou as companhias aéreas capturam a procura dependerá do que as empresas fizerem para se manter competitivas, bem como do nível de comunicação e coordenação em toda a indústria do turismo”, diz Gavin.

Abaixo estão dois factores chave necessários para uma recuperação mais forte na retomada:

1. Uma maior colaboração entre a indústria do Turismo

Vivemos numa era em que tudo pode mudar a qualquer momento. Portanto, a indústria do turismo precisa de ser ágil o suficiente para reagir rapidamente e aproveitar a recuperação. “As companhias aéreas estão prontas para partir quando os governos derem luz verde. Se os consumidores se sentirem confiantes para viajar, eles viajarão, e as companhias aéreas terão a capacidade para acolher esta procura. Os hotéis (e vice-versa) precisam de estar cientes desses desenvolvimentos e agir de acordo ”, diz Gavin.

Em antecipação ao aumento das viagens internacionais quando o mundo reabrir, Gavin enfatiza que os hotéis precisam de estar em sintonia com a capacidade das companhias aéreas conforme os destinos reabram. “As companhias aéreas planearam de forma eficaz para garantir uma resposta ágil e podem facilmente realocar aeronaves para destinos que sejam reabertos”, diz ele. “Portanto, é crucial que os hotéis estejam posicionados e abertos para receber os viajantes que cheguem repentinamente.”

No entanto, Gavin observa que a responsabilidade de se conectar e colaborar mais estreitamente com a indústria do turismo em geral não depende apenas dos hotéis. “Companhias aéreas, operadoras de turismo e conselhos de turismo nacional também precisam estar alinhados com o status dos destinos no exterior. Custa muito manter a aeronave no solo. Isso significa que se os passageiros reservarem voos para destinos no exterior e não cancelarem antes da data do voo, a companhia aérea voará. Mas se o ponto de partida estiver aberto para viagens, enquanto o destino for altamente restricto, é improvável que muitos hotéis estejam abertos para receber hóspedes ”, diz ele.

“Também precisamos de uma melhor coesão entre os conselhos de turismo em vários destinos”, continua ele. “Vimos alguns conselhos de turismo, como do Chipre, a serem extremamente pró-activos a direccionar os turistas do Reino Unido para os visitar, mas, neste momento, o Reino Unido ainda não está aberto para viagens”, acrescentou.

2. Mais flexibilidade na Gestão de futuros custos e Revenue

Prever receitas futuras nas circunstâncias actuais é quase impossível. Portanto, todas as empresas, desde hotéis a companhias aéreas, precisam de estar alertas e flexíveis sobre como gerir receitas e custos futuros. Gavin observa: “No sector da aviação, alguns esperam que os preços aumentem bastante, enquanto outros esperam que as reduções estimulem a procura. Mas, se houver procura, os hotéis ou companhias aéreas realmente querem fazer um desconto? ”

A recuperação bem-sucedida dependerá em grande parte de como os hotéis, companhias aéreas e outras áreas do turismo conseguirem ajustar os custos operacionais aos níveis incertos e variáveis ​​da procura do mercado. As empresas também podem colaborar para gerir com eficácia os custos operacionais – por exemplo, por meio de parcerias entre hotéis e restaurantes que criam sinergias de custos, como serviços de limpeza compartilhados ou pontos de venda de alimentos.

Durante estes tempos de incerteza, as empresas também foram forçadas a adaptar-se ao planeamento de custos e receitas de curto prazo. Referindo-se especificamente à aviação, Gavin observa: “A esta altura, num ano‘ normal ’, as companhias aéreas normalmente estariam a planear as viagens para o verão do próximo ano. Mas com a situação ainda incerta, o planeamento semanal e mensal foi estabelecido para gerir proactivamente os custos e receitas e responder às mudanças com agilidade. ”

Reduzir o stock durante os períodos de baixa procura também pode ajudar a manter os custos baixos. Em termos de receita futura, Gavin também observa que as empresas precisam estar atentas aos negócios adiados. “Muitas companhias aéreas, e tenho certeza que hotéis também, deram aos clientes a opção de reprogramar as reservas para uma data posterior. Quando os destinos forem reabertos, provavelmente veremos uma avalanche de consumidores desejosos de recuperar as reservas practicamente ao mesmo tempo. Hotéis e companhias aéreas devem estar prontos para administrar essa possibilidade. ”

Mas quando irão as viagens reabrir numa escala global?

Embora a indústria possa apenas especular, Gavin acredita que a digitalização garantirá melhor o cumprimento das medidas de saúde e, em última análise, determinará quando as viagens serão reabertas numa escala global. “Na aviação, há um grande impulso para a digitalização para garantir que os viajantes tenham testado negativo para o vírus ou tenham sido vacinados”, diz ele.

Ele afirma que a abordagem dupla para a documentação digital é essencial nesta fase, visto que uma grande percentagem de pessoas ainda não é elegível para a vacinação. “Mas, em última análise, esta documentação precisará ser digital para mitigar o risco de erro humano, semelhante à pré-autorização e usando códigos QR. “

Conclusão

Com base nos sinais do mercado, sabemos que a procura reprimida está a crescer mais rápido a cada dia e o “Revenge Tourism” está no horizonte. O mercado dos EUA é uma boa medida do que está por vir. Seja minimizando os custos operacionais actuais ou optimizando os canais de vendas directas, os hotéis e a indústria do turismo em geral podem e devem agir agora para fortalecer sua posição e capturar eficazmente a procura reprimida.

Mas com o clima global de viagens ainda tão incerto, ainda é crítico que a indústria continue a compartilhar informações e coordenar esforços para uma recuperação mais forte. Lembre-se de que o turismo precisa ser ágil o suficiente para reagir rapidamente e capitalizar na recuperação, que provavelmente ocorrerá com rapidez e força.

Learn more about GuestCentric

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.